© 2016 Centro de Estudos Godoy Moreira

whatsapp.png

Controle de Qualidade

Até o momento do transplante, todos os tecidos processados devem ser submetidos a rigorosos critérios de garantia de qualidade. É necessária a avaliação de todos os dados pertinentes ao doador, resultados de exames, manutenção e controle dos equipamentos, materiais e instrumentais utilizados em todas as fases de cada procedimento.

No Banco de Tecidos – HC-USP, os processos são informatizados através de um software gerenciador desenvolvido para o registro de todas as etapas o que permite o resgate e rastreabilidade de cada enxerto processado e disponibilizado. Através de uma codificação é possível identificar o doador, lote, validade, exames e status do tecido (em análise, liberado, excluído e utilizado).

Diante da necessidade de resgate de informações, como na evidência de um efeito adverso, é possível de forma rápida e segura a obtenção das informações e implementação de ações corretivas e preventivas.

Para que um lote de enxertos em análise seja liberado para uso o responsável técnico do Banco de Tecidos deve analisar os resultados de todos os exames realizados: sorologias NAT ou PCR para HIV, HBC e HCV, Cultura Geral, Cultura anaeróbios, Cultura de Fungos, Exame Anátomo Patológico e laudos radiográficos. Esses laudos de exames são em última instância avaliados e liberados pelo Responsável Clínico do serviço.

Além dos exames, a avaliação do registro impresso de temperatura durante o período de estocagem deve ser considerada. O serviço deve possuir equipamento que detectar as oscilações de temperatura mesmo a distância ( sistema de monitorização via satélite).

Além disso, a instalação de alarmes sonoros em pontos estratégicos do hospital além de backups de Co2 garantem a confiabilidade do sistema.

Após a liberação de cada lote, deve também ser realizada a vistoria final em cada tecido além da substituição de etiquetas de tecidos em análise para liberados. A logística de estocagem dos tecidos nos ultra freezers considera o tipo de tecido e agilidade na busca.

Serviços que realizam controles rigorosos de qualidade utilizam sistemas de anotação por check-lists com dupla conferência e anuência.

Todos os dados pertinentes ao doador e ao lote, conforme a legislação devem ser arquivados em prontuários únicos e armazenados em arquivos próprios do BTME por um período mínimo de 25 anos.

Uma soroteca com amostras de plasma de doadores também devem ser disponibilizadas pelo BTME em caso de necessidade de exames de contra-prova.

Assim que os critérios de qualidade sejam avaliados e aprovados, os tecidos são disponibilizados para uso.

Os tecidos são distribuídos para as diversas especialidades (Quadril, Joelho, Ombro, Tumores e Odontologia) conforme a disponibilidade e solicitação dos enxertos.